• Vilmar Bueno, o ESPETO

Encontro para tratar da liberação de música ao vivo



São Bento do Sul

Na tarde desta terça-feira, dia 6, ocorreu um encontro no auditório do Centro de Vigilância à Saúde, com representantes de bares e restaurantes, artistas locais e alguns membros do Comitê de Crise contra a Covid-19 do município, para discutir sobre a possibilidade de liberação de música ao vivo na cidade.

A reunião foi organizada pela Vigilância Sanitária e contou com a participação da médica e coordenadora da Central de Monitoramento, Andrea Duvoisin, que apresentou aos empresários e artistas, dados do monitoramento da Covid-19. Na oportunidade, Andrea enfatizou a principal causa que faz com que o número de casos aumentem na cidade. “As festividades fazem com que os números aumentem e quando eles diminuem é por conta do último feriado ter ocorrido a mais de um mês. Esses dados são fundamentais porque mesmo com as medidas de restrições, o distanciamento social continua sendo essencial para evitar o contágio”, explicou Andrea.


Para a diretora do Centro de Vigilância à Saúde, Silvana Bianco Bauer, a apresentação dos dados pela Dra. Andrea serviu principalmente para alertar os representantes sobre como funciona as decisões do comitê, visto que todas as medidas são definidas através de fatos e dados. “Toda decisão do comitê se baseia nesses e em outros dados, por isso estamos aqui hoje, para mostrar para vocês como funciona e também entenderem que o nosso trabalho preza principalmente pela saúde da população”, disse.


Após a apresentação, foram ouvidas as demandas dos representantes dos segmentos de bares e restaurantes e também artistas, que se comprometeram a ajudar na fiscalização, sendo um dos pontos destacados é que, caso algum cliente desrespeite os protocolos de vigilância, o próprio músico pare com a apresentação. Além disso, outras ideias também deverão seguir as portarias do Estado, entre elas a n°453 de 30 de abril, que define apenas dois músicos e um acrílico no palco separando o cliente do artista, além da proibição de publicidade de música ao vivo pelo bar. “É importante que todos os empresários se responsabilizem pelos seus atos. Estamos aqui reunidos justamente para tratar sobre isso. Uma maneira de trabalharmos em conjunto, e, caso a música ao vivo seja liberada, podemos ter um melhor controle na fiscalização”, disse o presidente da ACISBS, Júlio César Teixeira.


O delegado regional da Polícia Civil, Odair Rogério Sobreira, disse que é importante que os próprios empresários e artistas sejam conscientes das medidas de restrições na cidade. “Não devemos comparar São Bento do Sul com outras cidades. Se aqui a música ao vivo está proibida é porque tem um motivo. Por exemplo, a última vez que ocorreu a proibição foi quando estávamos com o hospital colapsado, e se alguém de São Bento ou até mesmo de outra cidade precisasse de um leito, não teríamos. A medida de proibição dessa e de outras atividades foi justamente para evitarmos um colapso ainda mais grave e fazer com que a situação se tranquilizasse”, explicou Sobreira.


Após a reunião foi definido que as sugestões dos representantes fossem apresentadas na próxima quinta-feira (8) para os demais membros do Comitê de Crise e assim ocorrer a definição oficial da volta ou não da música ao vivo nos próximos dias.

Também estiveram no encontro o Capitão do Corpo de Bombeiros, Edmilson Duffeck, secretário de Administração Heráclio Steinbach, fiscais da Vigilância Sanitária, Soldado Hey e subtenente Pereira, da Polícia Militar.