BLOG DO ESPETO - PRETO.png
  • Vilmar Bueno, o ESPETO

Ciranda Política Especial

Decreto de emergência

O governador Carlos Moisés decretou situação de emergência em Santa Catarina nesta terça-feira, 17, por conta da pandemia de coronavírus. A decisão foi tomada após o primeiro registro de transmissão comunitária em território catarinense da Covid-19 – quando não é possível saber a origem da contaminação. Entre as ações está a suspensão do transporte coletivo urbano municipal, intermunicipal e interestadual de passageiros, além de proibição do funcionamento de comércio, academias e restaurantes.


Decreto de emergência II

A decisão foi tomada após o primeiro registro de transmissão comunitária em território catarinense da Covid-19 – quando não é possível saber a origem da contaminação. Entre as ações está a suspensão do transporte coletivo urbano municipal, intermunicipal e interestadual de passageiros, além de proibição do funcionamento de comércio, academias e restaurantes.


Decreto de emergência III

Neste período, permanecerão abertos serviços considerados essenciais, como farmácias, supermercados, unidades de saúde, postos de combustível e distribuidoras de gás e água. Serão mantidos em funcionamento presencial em SC apenas os serviços públicos essenciais no âmbito municipal, estadual e federal. Todos os demais serão exercidos por meio digital ou remoto. O decreto será publicado no Diário Oficial do Estado e terá validade a partir da publicação. Após os sete dias, será feita uma nova avaliação para verificar a necessidade de se manter as restrições.


Decreto de emergência IV

Aqui na região os prefeitos também anunciaram procedimentos para também conter a propagação do vírus, como o cancelamento das aulas nas escolas municipais, acompanhando as decisões do estado. Em Rio Negrinho, o prefeito Julio Ronconi, anunciou que vai prorrogar o prazo para o pagamento do IPTU.


Exames e cirurgias canceladas

O secretário estadual de saúde, Helton Zeferino, determinou ontem novas medidas, na manhã desta terça-feira, 17, em função da pandemia de coronavírus. Exames e cirurgias eletivos e consultas ambulatoriais estão suspensos temporariamente, exceto para procedimentos não prorrogáveis, tais como exames oncológicos. Segundo o secretário de Estado da Saúde, Santa Catarina vive um momento de exceção e as medidas se fazem necessários para evitar a propagação do coronavírus.


Transporte urbano

Em São Bento do Sul a empresa Rainha deve se reuniu hoje pela manhã, para discutir a situação do transporte urbano, que foi proibido pelo decreto estadual.


Estado de calamidade pública

O governo federal pedirá ao Congresso o reconhecimento de Estado de Calamidade Pública até 31 de dezembro deste ano. A medida, se aprovada, dispensa o cumprimento da meta fiscal prevista para este ano, de deficit de até R$ 124,1 bilhões. Em nota, a Secretaria de Comunicação Social da Presidência informou que a medida é necessária pela “necessidade de elevação dos gastos públicos para proteger a saúde e os empregos dos brasileiros e da perspectiva de queda de arrecadação”. Em 2020, a meta fiscal para o resultado primário do governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) é de deficit de até R$ 124,1 bilhões — com o estado de calamidade, o rombo poderá ser ainda maior. Desde 2014, as contas públicas estão no vermelho.


Elas voltaram

As cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Belo Horizonte e Recife registraram panelaços na noite desta terça-feira (17) contra o presidente Jair Bolsonaro. Além de bater panelas, as pessoas gritavam “fora, Bolsonaro”. Os protestos ocorreram depois de Bolsonaro falar, mais de uma vez, em “histeria” em relação ao novo coronavírus e dizer que ações de governadores sobre isolamento prejudicam a economia.


Calamidade pública

À noite, o governo anunciou que pedirá ao Congresso para reconhecer estado de calamidade pública em razão da pandemia. No domingo (15), o presidente descumpriu monitoramento por coronavírus, participou de um ato a favor do governo e cumprimentou apoiadores no Distrito Federal. Nesta terça, Bolsonaro disse que o segundo teste para o coronavírus deu negativo. Segundo o último balanço do Ministério da Saúde, há 291 casos confirmados de coronavírus, mais de 8 mil suspeitos e uma morte.


O meu caso

Como eu faço parte do grupo de risco, por ter diabetes, pressão alta, e ainda estar me restabelecendo de uma cirurgia cardíaca, e ter 63 anos, também estou isolado em casa. O que os demais nessa situação devem fazer.