• Vilmar Bueno, o ESPETO

Ciranda Política

Nas redes sociais

O empresário Ismar Becker finalmente se rendeu as redes sociais, com facebook, istagram blog e tudo. Realmente quem não é visto não é lembrado.


Ismar/ PSL

Ismar Becker esteve jantando a convite do deputado federal Fábio Schiochet do PSL. Os assuntos não foram informados. Mas com certeza o presidente da Acisbs cobrou investimentos na região. E sobre o abandono do governo a Estrada Dona Francisca, com certeza deu um puxão de orelhas, se não deu deveria. Mas o assunto principal garanto que sobre as eleições de 2020.


CIDADANIA

O presidente do CIDADANIA Adriano Cubas ficou magoado por que não citei o seu partido nas notas de ontem. Tudo está citado, mas o que falei sobres os pequenos partidos continua a mesma análise, também terá dificuldade de lançar candidato a prefeito e vereador.


Posse

O novo presidente do Sindicato dos Servidores Públicos de São Bento do Sul e Região, toma posse no próximo dia 22. O evento vai acontecer na sede do sindicado na Rua D. Pedro II. O novo presidente é o servidor Edmilson Assis.


Desafios

Os próximos prefeitos terão as mesmas dificuldades para realizar obras e serviços, se utilizando de recursos próprios. Ou correm atrás de financiamentos ou irão continuar roçando a transgrilho e pintando os meio fios. Grandes obras de infraestrutura só com empréstimos.


Desafios II

O orçamento das prefeituras preveem 25% para a educação, 15% para a saúde, sem falar de pelo menos 50% para os gastos com a folha de pagamento. Portanto, sobra muito pouco para investimentos de grande porte. Os exemplos estão aí, com várias obras de pavimentação com financiamentos do Badesc.


Caixa preta

O primeiro ofício de 2020 do gabinete do deputado Bruno Souza (Novo) é um pedido de auditoria do Tribunal de Contas de Santa Catarina dos empréstimos feitos pelo Badesc, o banco estatal de desenvolvimento catarinense. Com mais de R$ 960 milhões de ativos, a principal agência de fomento em Santa Catarina viabiliza as concessões de financiamento de médio e longo prazo às empresas catarinenses através de operações diretas, via recursos de repasse e para às organizações de microcrédito. “Quero entender como os empréstimos estão sendo feitos. Conhecer e analisar as taxas de juros e inadimplência. Temos que estar atentos de como o dinheiro do catarinense é aplicado”, ressalta Bruno.