• Vilmar Bueno, o ESPETO

Ciranda Política

Caso dos médicos

A polícia civil finalizou o inquérito que investiga o descumprimento dos horários dos médicos e servidores públicos em São Bento do Sul. Foram indiciados 11 profissionais, cujo inquérito foi enviado à justiça.


Caso dos médicos II

Devido ao segredo de justiça os nomes dos profissionais médicos não foi divulgado. Mas temos que ter cautela, pois muitos médicos trabalham além dos horários, e atendem em vários locais. Portanto, se houve crime eles devem responder, mas não se deve fazer julgamentos antecipados. Até por que, existia um acordo que possibilitava a redução de horários.


Uma coisa

É certa, sendo médico, engenheiro, empresário ou profissional liberal, senão tiver o nome limpo, o eleitor manda para casa.


A vá!

O assessor de imprensa da Câmara de Vereadores de São Bento do Sul, enviou um release para a imprensa, informando que ontem à tarde houve um encontro de trabalho entre os vereadores e seus assessores com o secretário de infraestrutura, Luiz Claudio Schuves, para dirimir as dúvidas sobre o projeto de lei que dispões sobre a poluição visual. O problema que a nota do assessor nada conta sobre o que foi dirimido e ou resolvidos. Assim fica difícil.


A saga

E continua a saga de um grupo de empresários em busca de um nome do salvador da pátria para disputar as eleições em 2020. Já vou avisando não existe salvador da pátria. E o eleitor sabe muito bem disso.


No paraíso

Em Campo Alegre os vereadores considerados da base, rejeitaram um projeto do prefeito Rubens Blaszkoski, que dispôs sobre o pagamento de gratificação de função a servidores que exercem a função de pregoeiros. Até aí tudo bem, os vereadores são independentes. Mas nesse casa o PP foi muito além da independência. E isso com certeza vai repercutir nos acertos para a eleição de 2020.


No paraíso II

Uma coisa é certa o vice Sebastião Kons acredita que será o candidato do PP, mas se não tiver o apoio do prefeito Blaszkowski, a coisa pode ficar mais difícil. Já tem gente apostando que Kons poderá deixar o PP e disputar por outra legenda. E com isso pode jogar a prefeitura nas mãos da oposição.


Será

O senador Jorginho Mello – PL, afirma que sua assinatura foi falsificada no projeto que elevou de R$ 2 bilhões para R$ 3,8 bilhões o fundo partidário. Nossa que zona é esse congresso. Os deputados Darci de Matos – PSD, Hélio Costa - PRB, Pedro Uczai - PT e Ricardo Guidi – PSD, votam a favor do aumento.


Vergonha

O Fundão Sem Vergonha de R$3,8 bilhões, aprovado na Comissão de Orçamento para bancar a campanha municipal, garantiu que as eleições 2020 sejam as mais caras da História. Em 2016, a primeira realizada sem dinheiro de empresas, o valor total foi de R$ 2,7 bilhões, incluindo o dinheiro dos próprios candidatos e doações de pessoas físicas. A decisão na comissão foi articulada desavergonhadamente pelo centrão. “Centrão foi inconsequente”, criticou um líder governista.