• Cezar Miranda

Etcetera e tal...

Sem freio

O caminho até as convenções estaduais que definirão as nominatas de candidatos às eleições proporcionais, está cada dia mais curto. E não será só com boa intenção que as coisas irão caminhar na velocidade ideal. Até agora, pouco se viu de efetivo nos pré-candidatos a estadual na região. E depois ainda se acham no direito de reclamar dos que são citados por estarem “trabalhando”.

Não vai

Tem gente que segue insistindo na pré-candidatura, mesmo já tendo consciência que não reúne as mínimas condições necessárias para uma empreitada de tamanha envergadura. Na hora da decisão, pra valer, aparecerá aquele ‘discursinho pra boi dormir’.

Sem novidade

Após a saída de Ismar Becker do PSD, só ‘sobrou’ mesmo a vereadora Carla Hofmann para comandar a sigla. Aliás, ela já vinha pleiteando esse cargo há muito tempo, Agora é se empenhar para tentar colocar a sigla em condições de evoluir no cenário político local.

Não quer

O Partido Novo oficiou ao TSE que não fará uso do Fundo Eleitoral e “devolveu” R$ 87,7 milhões. Todos os candidatos da sigla terão que arcar com sua própria campanha ou, como é o caso do pré-candidato a estadual, Fernando Torquato, abre para os apoiadores a possibilidade de contribuir financeiramente.

Não, não!

Os demais partidos trataram de "embolsar a grana”, pois será com esse monte de dinheiro retirado dos pagadores de impostos que irão investir para enganar os eleitores mais incautos.

Fim da linha

Os deputados e ex-governadores do MDB conseguiram o que queriam. O partido irá a reboque de Carlos Moisés. A estratégia funcionou e Antídio Lunelli não teve alternativa senão desistir de concorrer ao governo. A briga contra a candidatura própria da sigla tinha um bom motivo: Moisés já tinha disponibilizado uma cópia da chave do cofre.