• Vilmar Bueno, o ESPETO

Ciranda Política



Magno sofre derrota na Câmara por 6 votos a 1

O projeto de lei foi enviado pelo prefeito Magno Bollmann – PP, que solicitava autorização do legislativo para vender o terreno onde hoje está a sede do Samae, que vai para a sede nova no mês de novembro. Na ocasião os seis vereadores de oposição, apresentaram seus argumentos, como preço fora de mercado real, por ser no centro, entre outros fatos. Somente o vereador e líder de governo Marco Redlich – PP, votou a favor, sustentando que os recursos seriam investidos em saneamento.

Até aí tudo bem, todos os vereadores tem autonomia para votar contra ou a favor de qualquer projeto, mas os vereadores da base de apoio do prefeito Magno, Wotroba que se absteve e Paulo Zwiefka, simplesmente sumiu da tela da sessão online. O presidente Peti – PP, só votaria em caso de empate.

No caso de Redlich, cumpriu o seu papel, defendeu o projeto do governo, e votou com a convicção de que vender o terreno era a solução certa. Mas Wotroba que se absteve, foi no mínimo sem personalidade, já que o eleitor espera que vereador se posicione e não fique em cima do muro.

Zwiefka ao contrário sumiu e não deu seu voto nem a favor nem contra. E não venha alegar que a internet caiu, pois poderia enviar seu voto pelo WhatsApp no grupo dos vereadores ou ligar se manifestando. Se era contra tudo bem, somente precisava apresentar seus argumentos.

No final o projeto foi rejeitado por seis votos contra – Edi, Sabino, Bogo, Jaime, Daguimar e Mallon e um a favor, Redlich. E o vereador Wotroba se absteve, e ainda Zwiefka que sumiu.

Na minha opinião, também acredito que o imóvel em questão poderia ser reaproveitado para um algum órgão da prefeitura, ou de uma secretaria. E o valor deve ser reavaliado por ser no centro e com três edificações.


Contra

Já o vereador Bogo – Podemos, diz que na realidade não é contra a venda, mas que deveriam aguardar. E defende a retirada da estrutura do Samae do centro, alegando que nesse momento da pandemia, poderia ser vendido aquém do que vale.


Contra II

O vereador Edimar Salomon – PROS, também se coloca contra a venda imediata do imóvel, que teria com certeza um valor maior, por ser no centro da cidade.


Contra III

O vereador Jaime Lima – PSDB, sugere outra solução para aquela área, entre elas que se utilize para um estacionamento, para beneficiar o comércio do centro, e ou repassar para a prefeitura.


Contra IV

O vereador Mallon – MDB, diz que não se deve vender a toque de caixa. Pois o próximo prefeito e os próximos vereadores, podem ter outras ideais para o imóvel.


A favor

O vereador Marco Redlich – PP, diz que o valor do imóvel levou em conta uma avaliação e tem preços de mercado, dizendo que o vereador Sabino, disse “que poderia fazer um arranjo, dar um jeitinho”. “Com mais recursos o Samae pode investir em mais obras de saneamento”, ressaltou Redlich. Sobre a avaliação foi feita no ano passado, onde o mercado estava retraído devido a um novo governo federal que se instalava em Brasília.


Sem jeitinho

O vereador Sabino, respondendo Redlich, disse que jamais falou em dar um jeitinho, no caso do terreno do Samae, e sim que poderia ser feito uma cessão de uso, para uma autarquia, por exemplo. “Eu não sou leviano, e vossa excelência tome cuidado com essas colocações”, rebateu. “Sem falar que a prefeitura comprou esta área, e doou para o Samae, nada mais justo que o Samae de devolver para a prefeitura.


Não é piscina!

Respondendo ao vereador Edi, sobre a gurizada tomar banho nos lagos do Ecoparque – Redlich disse que “não é piscina”. Explicando, que agora estão sendo tomadas algumas ações para impedir.


Voltaram

Os servidores públicos efetivos e comissionados da prefeitura de São Bento do Sul, que estavam afastados por fazer parte dos grupos de risco, voltaram a ativa. Mas por que agora não são mais de risco. Ah! Deve ser de risco eleitoral.


Sem propaganda

Resolução da Mesa Diretora da Câmara de São Bento do Sul, assinada pelo presidente Peti – PP, cria regra para que vereadores não se utilizem a imagem durante a sessão onlline, de seu candidato e ou número, e ainda, não utilizar a estrutura do legislativo, para fazer campanha.


Debate

A advogado do Sindicato dos Servidores Públicos, Luiza Mallon, que vai envolver os seis candidatos a prefeito em São Bento do Sul, explicou que os temas serão somente os que dizem respeito aos servidores, não sendo permitido outros temas. O debate acontece entre os dias 28 em São Beto do Sul e 29 de outubro em Campo Alegre.