BLOG DO ESPETO - PRETO.png
  • Vilmar Bueno, o ESPETO

Abel Hack conhece projeto para nova unidade do SESC no município



Rio Negrinho

O vereador rio-negrinhense Abel Hack esteve na última sexta-feira reunido com o assessor de infraestrutura do Serviço Social do Comércio (SESC), João José Losso, na sede da entidade em Florianópolis para levantar novas informações a respeito da instalação da unidade do serviço em Rio Negrinho. O tema esteve na pauta da Câmara de Vereadores nas últimas semanas devido a falta de informações sobre o início ou não das obras no prédio da antiga Fundação Hospitalar Rio Negrinho, cujo imóvel foi cedido pelo município para a entidade desde 2016. Ao contrário da reunião realizada com a entidade em julho deste ano, quando o SESC não possuía ainda previsão de se instalar em Rio Negrinho, desta vez a resposta foi positiva, com a notícia de que a licitação do projeto para a reforma do imóvel da rua Carlos Weber acontecerá ainda no primeiro semestre de 2020. Losso destacou que o próprio presidente do Sistema Fecomércio, Bruno Breithaupt, é quem está priorizando a instalação da unidade no município, cujos investimentos devem ultrapassar num primeiro momento a marca de mais de R$ 7,6 milhões. A arquiteta da entidade, Ana Zappellini, que também participou da reunião, destacou que o projeto inicial para a reforma do espaço – a edificação em alvenaria tem área de 2.796,60m² em um terreno de 4.454,80 m² – deverá receber entre outros espaços – uma academia de musculação e uma biblioteca, no prédio, além de uma quadra esportiva atrás do antigo hospital. Por se tratar de área próxima ao rio Negrinho e de preservação ambiental, o projeto inicial precisou de algumas adequações, atendendo solicitação da Prefeitura Municipal de Rio Negrinho. Para o vereador Abel Hack, a cobrança dos vereadores rio-negrinhenses por um posicionamento por parte do SESC, quanto a construção da unidade local, foi fundamental para que os munícipes tivessem uma resposta sobre o futuro do prédio da antiga FHRN. No mês passado os vereadores haviam apresentado requerimento solicitando a reversão do imóvel, caso o SESC não demonstrasse interesse em iniciar as obras, de forma que o prédio pudesse ser aproveitado para outra finalidade. A cessão de uso realizada em 2016 estipula prazo de 25 anos para uso da área.

Texto e fotos: Edson Frankowiak